Esqueça essa história de "encontrar o seu propósito"
Esqueça essa história de "encontrar o seu propósito"

Esqueça essa história de “encontrar o seu propósito”

— Como encontrar o seu propósito?

Tenho certeza que você já ouviu essa pergunta. Ou talvez sua versão imperativa:

— Você precisa encontrar o seu propósito.

De tanto que frases como essas são repetidas aos quatro ventos, “propósito” parece ter deixado de ser o fator que guia nossas vidas durante a rotina — tanto pessoal quanto profissional — para se tornar um discurso motivacional enlatado.

Hoje, “encontrar seu propósito” se tornou basicamente o “você vem sempre aqui?”, ou, se preferir, o “oi, sumida(o)” da auto-ajuda.

Desde que notei isso, cheguei a abolir a palavra “propósito” da minha escrita. Porém, claro que o problema não era a palavra, mas a forma como é usada.

Além do significado desgastado pela sua repetição excessiva, temos ainda um contexto complicado pelo verbo encontrar.

Como se “propósito” fosse algo que pudéssemos encontrar numa pesquisa no Google, num livro de auto-ajuda, ou mesmo num curso online. Ou seja, o discurso motivacional enlatado, na verdade, é um discurso de venda enlatado.

Só que, com raríssimas exceções, os materiais que se dispõem a te ajudar a encontrar o seu propósito funcionam como injeções de ânimo de curto prazo. Basta lembrar da última palestra motivacional que você viu.

Propósito não se encontra. Propósito se constrói

Existe uma diferença bem sutil que causa enorme impacto: em vez de retirarmos significado do trabalho, podemos torná-lo significativo.

Em outras palavras, propósito não é algo que se encontra, mas que se constrói.

“Não existe trabalho miserável, apenas pessoas miseráveis que não se dispõem a trabalhar. (Ayn Rand)”

Agora, chegamos a um momento complicado do texto, em que devo apenas listar alguns breves passos explicando como você pode construir o seu propósito, certo?

Também não é tão simples assim

E se não soubermos o que construir?

Em algum momento na vida, todos precisamos escolher entre nadar rumo a um objetivo ou simplesmente ficar à deriva e ver para onde seremos levados. Conscientemente ou não, todos tomamos essa decisão.

Agora, sem um propósito muito bem definido, pode ser melhor ficar à deriva e ver até onde o rio te leva. Se não for a direção certa, você ainda poderá apreciar uma bela jornada e terá tempo de perceber e corrigir seu trajeto.

Muito melhor que nadar cegamente rumo a um precipício, não acha?

Trace um objetivo, mesmo que ele represente ficar à deriva. E quando o fizer, tenha certeza de adequar o objetivo a você. Não o contrário.

Explico: é muito comum focarmos puramente no objetivo. Assim, definimos uma série de ações que devemos praticar para alcançá-lo. Mas podemos mudar nossa mentalidade nesse processo e passar a almejar algo novo.

Nesse momento, será necessário escolher entre acomodar ou começar um novo percurso. Por isso, nadar contra a correnteza pode ser bem perigoso se não for realmente o que você quer. É provável que você chegue à margem e se acomode por lá.

Ficar à deriva foi a melhor decisão que tomei na minha carreira 

Há dois anos, cursava meu último semestre de Engenharia Elétrica e, em Setembro de 2017, estava saindo de um estágio.

Naquele momento, meu sonho de graduando descia ralo abaixo. Não seria mais um estagiário efetivado após desempenhar um bom trabalho e me via bem perto do pesadelo de formar desempregado.

As seis horas de trabalho diárias se tornaram momentos ociosos e o que decidi fazer foi investi-las em estudo: cada minuto de trabalho se tornou um minuto para me especializar em algo do meu interesse.

E assim, estudei sobre Energia Fotovoltaica; algumas metodologias de logística e gestão de projetos (Supply Chain, Lean Manufacturing e Six Sigma); e por último, acabei descobrindo o Marketing Digital.

Enquanto estava à deriva, todos os cursos online que fazia, eram apenas uma forma de seguir estudando e ganhar algumas linhas no currículo — em que me apresentava como “engenheiro eletricista entusiasta em Marketing Digital”.

Hoje, o que era apenas um apêndice no meu currículo tornou-se minha carreira e, desde então, coleciono alguns resultados dos quais me orgulho bastante, como:

E não estou falando esses números para me vangloriar ou te empurrar alguma venda. Apenas quero transparecer que, hoje, me sinto profundamente realizado com a minha carreira no Marketing Digital.

Isso só aconteceu porque me permiti ficar à deriva, em vez de entrar numa busca frenética por qual seria o meu propósito — que, aliás, não afirmo ter encontrado, mas sigo construindo-o.

Propósito não é estático

Você provavelmente se lembra da Kodak, certo? Eles tinham um propósito e construíram um império em cima dele. Sabe qual era?

Compartilhar emoções.

Só que falar em propósito e afirmar tê-lo encontrado não é suficiente. Quer uma prova?

Em 2012, enquanto a Kodak declarava falência, outra empresa com o mesmo propósito — e 14 funcionários — foi vendida por um bilhão de dólares: o Instagram.

Isso porque o propósito não é algo estável. Pode exigir reparos, ou até mesmo uma reconstrução.

Um excelente exemplo dessa reconstrução é uma plataforma de namoro online criada em 2005, com o objetivo de oferecer um espaço para que as pessoas disponibilizassem vídeos contando quem eram e o que buscavam no amor.

Em 2006, esta plataforma apostou em diversificar um pouco mais o seu público, acabou vendida em 1,65 bilhão de dólares e você também deve estar familiarizado com ela, que atende pelo nome de YouTube.

Embora os exemplos sejam de empresas, a moral da história é simples: circunstâncias mudam, empresas mudam, pessoas mudam e nossos propósitos, também.

— Você encontrou o seu propósito?

Na próxima vez que se deparar com esta pergunta, basta agradecer educadamente — como fazemos ao recusar uma venda — e seguir o seu caminho.

— Muito obrigado, já tô trabalhando nisso!

Sou um escritor e produtor de conteúdo, especializado em Escrita Criativa, Storytelling e LinkedIn para Marcas Pessoais. Minhas maiores paixões sempre foram a música, o cinema e a literatura. Escrevendo textos na internet, consegui unir o melhor desses três universos, e o que era um hobby acabou me transformando em LinkedIn Top Voice e, hoje, se tornou minha profissão.

Gostou do texto? Então, compartilhe.

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email

E para receber os próximos textos em sua caixa de entrada, inscreva-se na Newsletter gratuita.

Comentários