como contar uma história persuasiva
como contar uma história persuasiva

Como contar uma história persuasiva em apenas 4 etapas (com um exemplo que você provavelmente conhece)

Para quem estuda Storytelling, uma das coisas mais interessantes é estudar e reconhecer novas estruturas para contar histórias.

Basta uma pesquisa no Google e é inevitável que você dê de cara com as 12 (ou 17) etapas da Jornada do Herói.

Não é à toa que praticamente todo curso que fala em Storytelling como parte da sua ementa, mas não tem a arte de contar histórias como tema principal, costuma focar apenas na Jornada do Herói.

Só que nem sempre ela é a melhor opção para estruturar sua história.

Para grandes épicos com finais felizes, ela costuma funcionar perfeitamente. Basta reconhecer a estrutura em alguns filmes para notar isso: Senhor dos Anéis, Harry Potter e Star Wars funcionam como ótimos exemplos.

Agora, se você precisa contar uma história persuasiva e breve, as 12 (ou 17) etapas podem não te ajudar tanto assim.

Porém, a estrutura que Lisa Cron apresenta no excelente Story or Die pode ser uma bela solução.

Em seu novo livro, ela não demora muito para apresentar as 4 etapas a seguir.

Depois, ela segue destrinchando, apresentando e construindo exemplos mais detalhados sobre como usar a neurociência para engajar e persuadir as pessoas nos negócios e na vida.

Então, o que vou te apresentar a seguir é apenas um resumo, mas que funciona perfeitamente como um guia quando você precisar contar uma história persuasiva.

1. A Crença Errada

Nessa primeira etapa, precisamos identificar e apresentar para as pessoas um pensamento equivocado comum e que, provavelmente, esteja impedindo que elas conquistem algo que desejam.

2. A Verdade

Se a crença acima está impedindo que sua audiência conquiste os resultados desejados, a verdade é a principal mensagem que você deseja passar e que vai ajudar as pessoas conquistá-los.

Aqui, faço questão de cometer o pleonasmo de dizer que a verdade precisa ser real. Porque, muitas vezes, o pessoal costuma ir longe demais no mercado digital ao acreditar que os fins justificam os meios.

3. A Percepção

Com os dois primeiros pontos definidos, agora é o momento de construir um evento para proporcionar uma experiência que permita que as pessoas vejam que sua crença estava errada.

Se não parece algo tão simples assim, é porque realmente não é.

O caminho natural seria apontar para a pessoa: sua crença está errada, a verdade é esta. Mas provavelmente você sabe que uma afirmação assim dificilmente ajuda a convencer alguém e, muitas vezes, somente polariza ainda mais as opiniões.

No livro, para mostrar que existe até um nome para esse fenômeno, Lisa Cron abre aspas para a neurocientista Tali Sharot. E farei o mesmo aqui.


“Apresentar às pessoas informações que contradizem suas opiniões pode levá-las a apresentar novos contra-argumentos que fortalecem ainda mais sua visão original. Isso é conhecido como Efeito Bumerangue.”

— Tali Sharot (retirado do livro Story or Die, por Lisa Cron)


Por isso, é fundamental apenas proporcionar a experiência por meio da história e deixar que a própria pessoa se decida.

4. A Transformação

Após a percepção, vem a cereja do bolo.

Com o protagonista transformado, fica mais fácil que sua audiência também se transforme.

Tudo isso fica ainda mais fácil de entender pela definição que Lisa Cron dá para uma história.


“Uma história é sobre uma realização interna que leva a uma transformação externa. No início, o protagonista tem uma crença interna que não é verdadeira — essa crença errada é o que impede seu público de ouvir sua chamada à ação. Os acontecimentos da história — o problema inevitável que o protagonista enfrenta — irão forçá-los a enfrentar e superar sua crença errada para resolver o problema.”

— Lisa Cron, Story or Die


Um exemplo que você provavelmente conhece

Em 2014, a Always lançou a campanha #LikeAGirl, que foi adaptada no Brasil para “Tipo Menina”. Se você não conhece o vídeo, é só apertar o play logo abaixo.

Se você já conhece, vale chamar a atenção para algumas conquistas da Always com essa campanha:

  • mais de 69 milhões de visualizações com o vídeo original no YouTube;
  • mais de 400 mil menções em redes sociais quando a versão de 1 minuto do vídeo foi transmitida no Super Bowl, em 2015;
  • Emmy de melhor comercial de 2015.

E o mais importante foi a influência que a ação teve na mudança da conotação negativa que expressões como “Like a Girl”, “como uma garota” ou “Tipo Menina” tinham. Tanto que a Always recebeu um reconhecimento da própria ONU, em Março de 2015, pelo impacto que teve no empoderamento feminino em todo o mundo.

Agora, vale demais apertar o play para reconhecer as 4 etapas da estrutura de Lisa Cron no vídeo. E não preciso nem dizer qual seria a crença errada, preciso?

https://www.youtube.com/watch?v=mOdALoB7Q-0

Sou um escritor e produtor de conteúdo, especializado em Escrita Criativa, Storytelling e LinkedIn para Marcas Pessoais. Minhas maiores paixões sempre foram a música, o cinema e a literatura. Escrevendo textos na internet, consegui unir o melhor desses três universos, e o que era um hobby acabou me transformando em LinkedIn Top Voice e, hoje, se tornou minha profissão.

Gostou do texto? Então, compartilhe.

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email

E para receber os próximos textos em sua caixa de entrada, inscreva-se na Newsletter gratuita.

Comentários