Roma - Storytelling
Roma - Storytelling

Roma: como construir uma experiência única com base em sutilezas, simbolismos e uma bela história

Nos primeiros segundos, Roma deixa claro que será um filme fora dos padrões.

Em vez do desespero para entreter e prender a audiência logo de cara, a abertura da obra se dá com a água correndo pelo piso, cultivando nossa paciência e nos preparando para o que virá em seguida.

O filme testa nosso imediatismo e, se você espera algo hollywoodiano, ele pode não descer muito bem. Foi o que aconteceu comigo em minha primeira tentativa de vê-lo. Menos de 15 minutos de sessão e já estava cochilando.

Então, baixei minha guarda para encarar Roma como uma experiência — não como um mero entretenimento — e o resultado foi um dos filmes mais bonitos e diferentes que já vi.

Ao mesmo tempo em que parece acontecer nada, temos o colapso de um país e de um casamento formando o cenário para acompanharmos a protagonista. Tudo relatado de forma sutil e simbólica.

Não existe a clássica jornada do herói que nos acostumamos a ver no cinema. Não é uma trama grandiosa cheia de idas e vindas, altos e baixos.

Na verdade, não existe um herói. Nem uma narrativa propriamente dita.

Neste ponto que entra a arte de contar histórias, deixando claro que o Storytelling não se trata meramente da história em si, mas principalmente da forma como ela é contada.

Experiência de imersão na vida dos personagens

Acompanhamos toda a trama pelo ponto de vista de Cléo. Mas não da forma mastigada que Hollywood nos deixou acostumados.

Testemunhamos a história acontecendo como se fôssemos um vizinho curioso. Dessa forma, temos uma experiência de imersão e observação, em que caminhamos com os personagens, dirigimos, comemos e vivenciamos com eles todas as agonias, por um intervalo próximo a um ano.

Essa imersão é proporcionada, principalmente, pelo estilo de filmagem utilizado e por uma das técnicas mais interessantes do Storytelling:

Show, don’t tell (mostre, não fale)

Alfonso Cuarón se propôs a fazer um filme sobre suas memórias da infância no México. Mas, em vez de recontá-las, ele as recria de uma forma que nos permite construir nossas próprias memórias.

Afinal, o Storytelling não é sobre você ou sua marca. Mas sobre sua audiência e a percepção que ela tem com base em sua atuação e posicionamento.

Dessa forma, o filme ultrapassa o que um mero entretenimento ofereceria e se transforma numa experiência que te permite se conectar de verdade com os personagens e tirar suas próprias conclusões.

Simbolismos em Roma

Uma mesma cena pode ter um significado para mim e outro completamente diferente para você. Essa é a beleza da técnica de show, don’t tell.

Não necessariamente há um significado para todas as cenas, mas elas ficam abertas para interpretação da audiência.

Assim, é possível encontrar uma explicação simbólica para a água que acumula na vida de Cléo até culminar na cena da praia, no avião que vemos várias vezes no filme e até na cena de meditação.

Para evitar spoilers que comprometam a experiência de quem ainda não viu Roma, vou me ater a uma única explicação:

O carro da família que mal cabe na garagem

Primeiro, ele evidencia o materialismo do pai e seu desconforto com a vida em família.

Em seguida, quando a mãe tenta estacioná-lo e bate o veículo, ele ilustra o colapso do casamento e o consecutivo conflito emocional da matriarca.

Por último, quando trocado por um carro menor, mostra a superação da mãe que passa a encontrar maior conforto sem o marido.

Finalmente, com todos esses elementos e técnicas, temos uma trama construída de forma extremamente sincera e realista.

História real

Embora seja uma ficção baseada nas lembranças de Cuarón, Roma é uma história muito mais verdadeira que vários filmes baseados em fatos reais — como Bohemian Rhapsody, que escolheu um caminho romantizado e superficial.

O filme mexicano relata uma história que acontece com frequência à nossa volta. Porém, com nossos privilégios, não costumamos tomar conhecimento.

“Muitas vezes, somos incapazes de olhar para o que temos diante de nós, a menos que esteja dentro de um quadro. ( Abbas Kiarostami)”

Em Roma, é como se Cuarón encaixasse essas situações do nosso cotidiano em uma moldura e, assim, permite inúmeras reflexões:

• Valorização de pessoas invisíveis em nosso cotidiano;

• A importância de assumir o protagonismo de nossas vidas.

Muitas vezes, preferimos uma experiência mais fácil de ser digerida e processada. Por isso, Roma divide opiniões em extremos.

Como o britânico Passenger afirma em uma música:

“Se um vídeo explicando o sentido da vida fosse transmitido no YouTube, Gangnam Style ainda teria mais visualizações”.

Portanto, se ainda não viu a obra de Alfonso Cuarón, te convido a abaixar sua guarda e encará-lo como uma experiência diferente. Garanto que vai valer a pena.

E se você assistiu ao filme, gostaria de saber o que achou e, principalmente, qual foi o simbolismo que mais chamou sua atenção?

Sou um escritor e produtor de conteúdo, especializado em Escrita Criativa, Storytelling e LinkedIn para Marcas Pessoais. Minhas maiores paixões sempre foram a música, o cinema e a literatura. Escrevendo textos na internet, consegui unir o melhor desses três universos, e o que era um hobby acabou me transformando em LinkedIn Top Voice e, hoje, se tornou minha profissão.

Gostou do texto? Então, compartilhe.

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email

E para receber os próximos textos em sua caixa de entrada, inscreva-se na Newsletter gratuita.

Comentários