Lições do Marketing
Lições do Marketing

9 lições que aprendi em 5 meses de Marketing (que 7 anos de Engenharia não foram capazes de me ensinar)

No início do ano, mudei de área radicalmente, deixei a Engenharia on hold e conquistei uma vaga como Analista na maior empresa de marketing de conteúdo da América Latina.

Sempre que paro para pensar nisso, ainda me parece inacreditável! E se quiser conhecer melhor minha história, eu contei tudo em detalhes nesse artigo.

Recentemente, fiz uma reflexão sobre minha graduação em Engenharia Elétrica contando sobre os principais aprendizados que fizeram o curso valer a pena, ainda que não volte a atuar como engenheiro.

Este artigo aqui é uma espécie de continuação dessa reflexão, só que dessa vez vou listar as 9 lições que aprendi em apenas 5 meses trabalhando com Marketing.

Já garanto o seguinte: quando se trabalha nessa área, o tempo passa de uma forma diferente e você consegue aprender muito em pouquíssimo tempo. O Renato Mesquita, head de Marketing, já me adiantou isso no meu primeiro dia na Rock Content, ao dizer que o tempo passa estilo dog years.

Hoje, vejo como isso é verdade e o quanto evoluí nesse período. Mas se você não é da área de marketing digital, pode ficar tranquilo. Assim como não falei sobre eletromagnetismo e circuitos elétricos no artigo sobre Engenharia, também não vou falar sobre SEO e pontos de conversão aqui!

E vamos logo para a primeira das nove lições:

Você não é o seu diploma

Você não é definido por quanto dinheiro tem no banco. Você não é o seu trabalho. Não é a sua família, nem é quem acha que é. Você não é os seus problemas. Você não é a sua idade. Você não é as suas esperanças. E você, definitivamente, não é o seu diploma.

Ok, a última frase eu inventei. Mas você certamente já conhece a obra de onde retirei esse trecho, certo? E conhece a primeira regra também?

Essa verdadeira obra-prima do autor Chuck Palahniuk é um excelente ponto de partida para esse tópico, por pregar o total desapego de bens materiais, além de definições e rótulos que a sociedade costuma nos impor.

Confesso que me preocupava bastante em ser definido, por toda a minha vida, pelo curso que escolhi. Principalmente quando via filmes e histórias sobre pessoas que desempenham uma série de funções e cargos.

Pois esse é o roteiro básico que a gente aprende na escola, certo?

Somos alfabetizados para estudarmos as disciplinas escolares, que nos preparam para o vestibular, quando escolhemos um curso numa universidade e, então, trabalhamos nessa área para o resto de nossas vidas.

Mas a verdade é que não precisamos nos prender ao diploma e, como uma imagem diz mais do que mil palavras, vou deixar meu colega engenheiro eletricista falar por mim:

Sobre isso, não existe uma citação que encaixe melhor do que a de Jack Kerouac:

Eu vi que minha vida era uma vasta página em branco e que eu poderia fazer qualquer coisa que eu quisesse.

Porém, encarar uma página em branco pode ser muito mais desafiador do que aceitar um roteiro pronto. E assim chegamos ao próximo tópico:

Atuar fora da sua zona de conforto pode ser bem confortável

A principal dificuldade que encontramos ao tentar promover mudanças está em deixar a zona de conforto. Mas assim que a deixamos, a tendência é de nos sentirmos bem melhor e, por que não, mais confortáveis.

O processo funciona como fazer a sua primeira tatuagem!

Ainda não experimentei um frio na barriga mais intenso do que os últimos segundos que antecederam minha primeira tatuagem, quando a máquina já estava ligada e eu ainda refletia se poderia me arrepender.

Mas, assim como a grande maioria, eu também não parei na primeira e todas as posteriores envolveram bem menos ansiedade, pois já havia deixado minha zona de conforto.

Se você não for fã de marcar a pele, a analogia de tomar banho gelado no verão funciona tão bem quanto.

Não vou aprofundar muito neste tópico, pois ainda temos outras sete lições para cobrir. Mas te digo o seguinte: se tem algo que quer mudar drasticamente em sua vida, lembre-se que o mais difícil é dar o primeiro passo.

Algumas vezes, não é importante para qual direção você vai pular. Apenas que você pule. (Chuck Palahniuk)

Se quiser ler mais sobre este tema, recomendo esse excelente artigo do Kaio Serrate falando sobre como promover mudanças duradouras. E vamos ao próximo assunto:

Não existe um hack que vai mudar sua vida

Hack é um termo que está bastante na moda e, por isso, temos uma infinidade de artigos como:

  • Conheça os 8 hacks fundamentais para escrever bem;
  • Como ser mais produtivo: 17 hacks que vão mudar sua vida;
  • 25 hacks para economizar dinheiro na sua viagem para o México.

Não importa o quão básico ou avançado um hack seja. Dificilmente você vai encontrar um que mude a sua vida.

Mais do que isso, essa enorme quantidade de materiais nesse formato pode acabar sendo nociva para os leitores, devido a um processo que gosto de chamar de procrastinação intelectual!

É bem comum que você acabe se perdendo no meio desse mar de hacks e queira consumir todos, mas acaba se esquecendo de fazer o mais importante: colocar o que leu em prática.

E esse processo pode ser bem mais perigoso que a procrastinação clássica, pois você se ilude ao achar que está sendo produtivo.

Portanto, procure sempre colocar em prática pelo menos uma das dicas e hacks que ler, ou você estará apenas desperdiçando tempo e se enganando.

Por isso, temos a próxima lição:

Toda ideia merece ser testada

Por mais absurda que uma ideia possa parecer, não descarte antes de testá-la.

Quer um exemplo de uma ideia maluca que resolvi testar e deu muito certo?

Esse anúncio abaixo foi utilizado em um artigo publicado na Comunidade Rock Content, em que o Deadpool invadiu o blog para reportar alguns erros cometidos por redatores, sempre explorando o senso de humor do mercenário da Marvel.

Acredite se quiser, a performance dessa ação foi absurdamente boa, embora estivéssemos um pouco receosos com possíveis reações negativas do público.

Nem sempre as coisas dão certo e seguem conforme planejado. Assim, algumas vezes cometemos erros, mas tudo bem, pois…

Errar é fundamental para crescer

Um erro é simplesmente um resultado não esperado, e uma oportunidade única de aprender e crescer.

Já mencionei que aprender com os próprios erros é bom, mas é ainda melhor aprender com o erro dos outros. E realmente, é a melhor forma de aprender, porém nem tudo pode ser compreendido com base em erros de outras pessoas.

Veja só o que o maior nome do basquete mundial tem a dizer sobre isso:

https://www.youtube.com/watch?v=-qNgn4yst1c

Agora, se você é um usuário ativo no LinkedIn, tem grandes chances de identificar o influenciador do próximo tópico pelo título.

Aprenda a vestir a sua própria camisa

Vestir a camisa da empresa é muito importante para crescer profissionalmente!

Tenho certeza que você já perdeu as contas de quantas vezes ouviu algo similar a essa frase. Eu mesmo tomava isso como lema pessoal há um ano, quando ainda atuava como estagiário de engenharia e sonhava que, para ser efetivado, eu deveria vestir a camisa da empresa.

Ok, vestir a camisa da empresa é muito legal. Mas até que ponto?

Na ânsia de ser reconhecido pelo seu trabalho e ganhar a tão sonhada promoção, você tenta abraçar o mundo. Você veste a camisa da empresa. Trabalha até mais tarde. Aceita mandos e desmandos. Sempre com o rabinho entre as pernas.

Esse é um trecho do artigo do Matheus de Souza que me esclareceu a ideia de vestir a própria camisa. Uma lição que eu até já havia aprendido, mas não de uma forma tão clara e poética.

E a verdade é que somente somos felizes quando trabalhamos vestindo a nossa própria camisa. Por isso, o ideal é encontrar uma empresa que vista as mesmas cores que você.Ou então, quem sabe, seguir o exemplo do Matheus e se tornar seu próprio chefe.

É absolutamente natural mudarmos de opinião e de atitude em situações como essa, pois, como já vimos, alguns aprendizados só são possíveis perante nossos próprios erros. E a próxima lição tem muito a ver com isso.

Você deve sentir vergonha do que fez um ano atrás

Essa é uma frase que o Vitor Peçanha, co-fundador da Rock Content, costuma falar bastante.

E a ideia é bem simples: se você revisita algo que fez há exatamente um ano e não encontra nenhum ponto de melhoria, é um forte indício de que você não evoluiu desde então.

Por outro lado, se você enxerga tantos detalhes para melhorar a ponto de sentir vergonha, isso quer dizer que você cresceu muito em um ano e tem motivos de sobra para se orgulhar.

Seguindo na mesma de linha de procurar evoluir constantemente, tem uma frase que o Renato Mesquita, head de marketing, usa com bastante frequência:

O que te trouxe até aqui não vai te levar onde você quer ir

Basicamente, a ideia é não se acomodar jamais!

Pense em tudo o que você fez e realizou para chegar onde você está nesse exato momento e sinta orgulho. Pois tenho certeza que o caminho não foi fácil, o de ninguém é.

Mas para alcançar seu próximo objetivo, prepare-se para percorrer outro caminho tão longo quanto. Ou reze por uma carona enquanto continua acampado exatamente onde você está. Mas lembre-se: é cada vez mais difícil conseguir uma carona nessas circunstâncias.

E ainda que você consiga, será que você vai chegar realmente até onde quer ir? Ou apenas para o destino do motorista?

E por último, tomando como inspiração uma apresentação do Edmar Ferreira, quero desmistificar uma das falácias mais repetidas atualmente:

Amar o que você faz não te torna bom nisso

Seu trabalho vai preencher uma parte grande da sua vida, e a única maneira de ficar realmente satisfeito é fazer o que você acredita ser um ótimo trabalho. E a única maneira de fazer um excelente trabalho é amar o que você faz.

Esse trecho é atribuído a ninguém menos que Steve Jobs. Foque na frase em negrito: a única maneira de fazer um excelente trabalho é amar o que você faz.

O que tem de errado com ela?

Mesmo que indiretamente, ela vende a ideia que amar o que você faz garante que você será bom naquilo. Algo que muitas pessoas defendem e até mesmo vendem, em livros e materiais de auto-ajuda.

Se você ainda acredita nisso, vou te provar com exemplos o quanto essa mentalidade é equivocada:

Pense nos peladeiros de final de semana. Todos eles amam o futebol, mas quantos são bons nisso devido à paixão? E quantos amantes da música que você conhece aprenderam a tocar algum instrumento por amor?

O que acontece é que, por amar alguma atividade, existe a tendência de nos dedicarmos e nos esforçarmos mais para praticar e melhorar naquilo. Mas o amor em si não garante nada, nem o potencial.

Quantas vezes você já ouviu algo como “que pena que não deu certo, o fulano gosta tanto de cantar e tinha tanto potencial”?

(Perdão pelo excesso de exemplos musicais. Isso que dá escrever ouvindo música! Hehe)

Veja só o que Charles Bukowski tem para dizer a respeito:

Isso de potencial não quer dizer nada. Você tem que realizá-lo. Qualquer bebê abandonado numa caixa de sapato tem mais potencial que eu.

E estamos de volta ao tópico de colocar as ideias em prática, testar, errar e aprender mais.

Tem uma outra frase do Bukowski extremamente curta e bastante famosa. Se você conhece o escritor, com certeza já leu:

Find what you love and let it kill you.

Ela ganhou um sentido especial para mim recentemente, talvez porque não tivesse entendido a ideia por trás dela antes.

Escolha muito bem suas batalhas e no que você quer dedicar seu tempo e esforço. E quando escolher, realmente dê seu máximo. Sem clichês de dizer que o mundo está cheio de pessoas medíocres, pois você já sabe disso.

Mas tudo o que fazemos na vida acaba nos matando, seja rapidamente ou lentamente. Mas é muito melhor morrer por algo que você ama (e dá mais resultado também).

Essa, por enquanto, é a última lição que tenho para compartilhar com você!

E então, com qual você se identificou mais? Discordou de alguma? Vamos continuar essa reflexão nos comentários! 🙂 

Sou um escritor e produtor de conteúdo, especializado em Escrita Criativa, Storytelling e LinkedIn para Marcas Pessoais. Minhas maiores paixões sempre foram a música, o cinema e a literatura. Escrevendo textos na internet, consegui unir o melhor desses três universos, e o que era um hobby acabou me transformando em LinkedIn Top Voice e, hoje, se tornou minha profissão.

Gostou do texto? Então, compartilhe.

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email

E para receber os próximos textos em sua caixa de entrada, inscreva-se na Newsletter gratuita.

Comentários