Marca Pessoal
Marca Pessoal

Marca Pessoal: o que você precisa entender para começar a construir a sua

Desde que alguns conceitos como Marca Pessoal, Marketing Pessoal e Personal Branding se popularizaram, existe bastante confusão sobre o que significa cada um deles.

Se eles são a mesma coisa ou não e, principalmente, como eles se relacionam na prática.

Então, já fica aí um spoiler: apesar da similaridade entre os nomes, não são sinônimos.

Antes de falarmos sobre o que é uma Marca Pessoal, vale simplificarmos um pouco da confusão que circula por aí.

O que não é Marca Pessoal?

Autopromoção exagerada

Há quem acredita que basta pegar um megafone, gritar para os quatro cantos da internet e do mundo o quanto você é bom, e voilà, temos uma Marca Pessoal forte e consolidada.

Independentemente dos resultados e do quanto você é bom de serviço, essa é apenas uma maneira simples de mostrar que seu único interesse é falar de si próprio.

E acredito que você vai concordar comigo que essa não é lá uma das melhores maneiras de se construir uma marca confiável, não é mesmo?

Falar apenas de trabalho

Seguindo essa linha da autopromoção, uma alternativa natural para escapar dela é falar apenas de trabalho.

Em vez de se vangloriar explicitamente, você mostra seu trabalho e deixa que as pessoas tirem suas próprias conclusões.

Funciona melhor?

Sim, mas sua Marca Pessoal vai muito além de postar sobre o que você faz de trabalho.

Postar conteúdo na internet

Também vai muito mais longe de criar uma publicação e apertar o botão “compartilhar” numa rede social.

Claro que postar conteúdo é fundamental, mas, se não existem fundamentos, objetivos e estratégias, suas publicações podem ser apenas tiros no escuro.

Ter uma logo para sua marca

Outra confusão é a ideia de que ter uma logo seria sinônimo de Marca Pessoal.

Apesar de ser um belo passo na construção de uma marca, pela associação visual que ganhamos com o símbolo, também não é garantia de nada.

E agora sim, estamos prontos para falar sobre o primeiro dos três conceitos que trouxe no primeiro parágrafo.

O que é Marketing Pessoal?

Para essa definição, gosto de dar dois passos atrás e começar por Market, mercado em inglês.

Com um “ing”, transformamos a expressão em verbo e temos Marketing — que gosto de encarar como um conjunto de ações e ferramentas para inserir uma marca (ou pessoa, no caso de Marketing Pessoal) no mercado.

E quando falo em “inserir no mercado”, digo isso num sentido bem próximo de colocar-se numa prateleira, para oferecer serviços e permitir que as pessoas construam uma percepção a partir que veem.

É justamente nesse ponto que entra o segundo conceito.

O que é Marca Pessoal?

Quando falei que postar conteúdo sem fundamentos e objetivos pode ser um tiro no escuro, isso tem tudo a ver com a Marca Pessoal.

Porque a marca é basicamente um sistema de crenças, valores e símbolos que representam uma pessoa (ou empresa), seu trabalho e seus serviços.

A logo entraria como um dos símbolos e falar do seu trabalho seria apenas uma finalidade.

Postar conteúdo é apenas um meio, que entraria em Marketing, e, se você me perguntar, não daria um lugar para a autopromoção exagerada.

Onde entra o Personal Branding?

No fim das contas, é como se o Marketing Pessoal fosse o “como”; a Marca Pessoal seria o “que” somado ao “por que”; e o Personal Branding entra como a gestão entre os dois.

É quando você entende que existe uma marca associada a você e se posiciona de forma estratégia e intencional, para consolidar sua marca através do marketing.

E para fechar:

Como construir a sua marca do zero?

Preciso adiantar que essa é uma pergunta capciosa.

Não se constrói uma Marca Pessoal do zero, mas se escava.

E isso é uma excelente notícia porque significa que sua marca já existe. Resta apenas entendê-la, identificá-la e trazê-la a tona da melhor forma possível em seu posicionamento:

Quando você tem clareza das suas crenças e valores, e entende quais símbolos incorporar na sua comunicação, fica muito mais fácil que as pessoas te encontrem na prateleira com a percepção ideal.

Isso não significa agradar a todos que passarão por ali, mas atrair pessoas alinhadas com o que você acredita.

Até porque, no fim das contas, o trabalho que não merece críticas também não merece ser aclamado.

E o papel do Marketing, ao espalhar ideias, não deve ser de convencer ou ludibriar pessoas a consumir seu produto. Mas sim, encontrar as pessoas que precisam dele.

Bônus

Este texto é um resumo da aula “Marca Pessoal: o que você precisa entender para começar a construir a sua”, que abre o Módulo 2, sobre Marca Pessoal, do curso de LinkedIn para Marcas Pessoais.

Decidi deixar a aula 2 disponível na íntegra para você, que leu até aqui, conferir. É só apertar o play logo abaixo.

Essa é apenas a aula introdutória do módulo 2, que recebe o nome de “Planejamento de Marca: preparando o campo de batalha” é um verdadeiro curso intensivo e prático, para você entender como construir e consolidar sua Marca Pessoal.

Ele sozinho tem exatamente 1h e 57min de duração e, se eu quisesse, até poderia “embalá-lo” e vendê-lo separado como um curso de Marca Pessoal.

Se tiver interesse, clique aqui e dê uma olhada na ementa, para ver que não estou exagerando.

E, se você quer construir sua marca pessoal na maior rede profissional do mundo, tenho uma excelente notícia para você.

O curso de LinkedIn para Marcas Pessoais está disponível pela metade do preço, até 23:59 do dia 26/11 (vulgo próxima sexta).

De R$ 357,00, por R$ 178,50.

Só o módulo 2 já poderia valer bem mais que o valor que você irá investir no curso.

Se um dos seus objetivos para começar 2022 com tudo é construir sua marca no LinkedIn sem apelar para autopromoção e sem abrir mão de sua essência, esse é o momento.

Faça sua inscrição clicando aqui e será um prazer ajudar em sua jornada 🙂

Sou um escritor e produtor de conteúdo, especializado em Escrita Criativa, Storytelling e LinkedIn para Marcas Pessoais. Minhas maiores paixões sempre foram a música, o cinema e a literatura. Escrevendo textos na internet, consegui unir o melhor desses três universos, e o que era um hobby acabou me transformando em LinkedIn Top Voice e, hoje, se tornou minha profissão.

Gostou do texto? Então, compartilhe.

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email

E para receber os próximos textos em sua caixa de entrada, inscreva-se na Newsletter gratuita.

Comentários