Dimitri Vieira
Peixe Grande: aprenda na prática o poder do storytelling
Peixe Grande: aprenda na prática o poder do storytelling

Peixe Grande: aprenda na prática o poder do storytelling

Peixe Grande e Suas Histórias Maravilhosas é um romance, dirigido por Tim Burton, com toques de drama e de comédia. A trama segue a vida extraordinária de Edward Bloom, desde seu nascimento até seus últimos dias, através de flashbacks e muito storytelling!

Não. Aqui não é facebook. Nem um site de resenha de filmes. Mas se você conhece o storytelling, já sabe que essa habilidade é essencial para diversos momentos de sua carreira.

Pode ser numa apresentação de slides, ou até mesmo numa entrevista de empregos. A sua capacidade de narrativa pode e vai fazer a diferença. Afinal, é sempre mais fácil lembrarmos de um fato quando ele é ancorado em uma história.

E quer uma maneira melhor para aprender algo do que vendo isso sendo feito na prática em um filme?

Neste artigo, vou te mostrar como o storytelling é usado com maestria nesse filme, tornando-o muito mais interessante, sonhador e desafiador. Se você ainda não viu o filme, já aviso que haverá spoilers!

Se você viu e gostou, te convido a relembrar algumas histórias com este artigo. E, caso não tenha gostado, leia até o fim, pois prometo desvendar vários aspectos lúdicos do filme e te fazer enxergá-lo com novos olhos.

Mas antes de aprofundarmos no longa metragem, precisamos definir:

O que é storytelling?

Storytelling é a arte de contar boas e relevantes histórias em seus conteúdos. Afinal, é sempre mais fácil lembrarmos de um fato quando ele é ancorado em uma história.

Mas para produzir bons relatos, alguns elementos são cruciais:

  • Gerar conexão com o leitor;
  • Ótimos personagens;
  • Apresentar um conflito (que será resolvido);
  • Gerar surpresa;
  • Inspirar o leitor (ou incentivar uma ação positiva);
  • Ter começo, meio e fim.

Para isso, é necessário entender também que você deve escrever para encantar o seu público, não você mesmo. Ao compreender bem sua persona, você será capaz de criar personagens e tramas que serão fascinantes para sua audiência.

E se, assim como eu, você é fascinado com storytelling, é certo que as maravilhosas histórias do Peixe Grande irão te cativar.

Mas não confunda narrativa com storytelling! Toda narrativa é uma técnica de contar histórias, mas a recíproca não é verdadeira. Existem três maneiras de utilizar esse método em seus conteúdos:

1. Storytelling como parte do conteúdo

Dentro de um conteúdo, você pode utilizar uma história como exemplo para uma situação que você deseja explicar. Como por exemplo, o nosso post no Marketing de Conteúdo: Conheça o fator de SEO que pode colocar o seu blog no topo do Google em 2017.

“Bucket brigade é uma expressão que teve origem nos primeiros combates a incêndio (provavelmente na Inglaterra). Uma pessoa passava um balde para a outra e assim por diante, até chegar na que estava mais perto do fogo. Mas como aplicamos isso para o marketing de conteúdo?”

2. História usada como estrutura do conteúdo

O seu conteúdo pode ser estruturado com base em uma história. No caso de tirar a dúvida do leitor, você usa desde a conversa da dúvida até a descoberta da solução estruturando o seu conteúdo. Um bom exemplo é nosso post sobre como criar um blog, também no Marketing de Conteúdo.

3. Conteúdo é a história

Aqui você terá uma narrativa completa, desenvolvida e com personagens. Podem ser histórias reais ou fictícias, ou até mesmo cases de sucesso.

É exatamente nessa categoria que o filme se encaixa. E, se você quiser aprofundar mais na técnica de storytelling, temos disponível um webinar com o André Mousinho, nosso principal especialista em Marketing de Conteúdo e SEO.

Nessa aula ele vai te ensinar, inclusive, sobre o arquétipo do herói por trás de todos os mitos e os 12 passos de sua jornada. Além das similaridades da trajetória do herói com a sua e a do cliente!

Esse webinar foi feito no ano passado e eu acabei assistindo antes mesmo de cogitar entrar na Rock. Hoje, eu sou suspeito para indicá-lo, mas recomendo demais que você assista para aprender mais sobre o assunto.

E sem mais delongas, vamos ao filme:

Sobre a trama

Todos os eventos na vida de Edward Bloom, o protagonista, são marcados por algum evento mágico. Desde seu nascimento, quando é literalmente arremessado no parto até o momento em que viaja com um gigante, por exemplo.

Todas as histórias contadas por ele não necessariamente são verdadeiras, mas elas contêm verdades. E seu filho, William, descontente por não conseguir distinguir a ficção da realidade e decifrar a história de vida de seu pai, acaba se desentendendo com ele. E o filme então busca reconciliar pai e filho.

Esse é o conflito e essa é a trama. Bem simples, não é mesmo? Mas a beleza está na forma lúdica como tudo acontece, como se os acontecimentos fossem narrados pelos olhos mágicos e otimistas de uma criança.

Peixe Grande e Suas Histórias Maravilhosas

Os acontecimentos que narram a vida do protagonista são verdadeiras fábulas. Ou, se preferir, verdadeiras lendas folclóricas do século 21, que incluem:

  • sereias e gigantes;
  • uma jovem inocente que se torna uma bruxa, desrespeitando completamente a ordem cronológica dos eventos;
  • um poeta que se torna um ladrão de bancos e, posteriormente, um multimilionário;
  • um dono de circo que se transforma em lobisomem (muito antes do Wolverine entrar para o show business);
  • uma cidade que se assemelha ao jardim do Eden;
  • e, finalmente, um contador de histórias que se transforma em um peixe.

Os flashbacks são utilizados com maestria para manipular a ordem cronológica dos eventos e o filme chega a sugerir tempo cíclico, em uma ocasião ou outra. Mas como interpretar as fantasias de Edward Bloom?

Vamos analisar uma das principais histórias e que dá nome ao filme. Logo no começo, somos apresentados à fábula do peixe grande: enquanto seu filho nascia, Edward tentava pescar o maior e mais lendário peixe em todo o Alabama, um verdadeiro monstro que não podia ser capturado.

Quando ele percebe que o peixe estava, na verdade, grávido e era fêmea, o protagonista consegue pescá-lo usando uma aliança como isca.

E já deixa como moral que, para conquistar uma mulher inconquistável, uma aliança pode fazer o truque — mas desde que seja aliada ao ato de se importar e muita dedicação. Logo nesta cena, ainda não fica tão claro, mas ao longo da história fica evidente, na devoção por sua esposa, que a aliança é apenas um gesto.

No decorrer da história, fica claro que essa história toda do peixe foi apenas inventada para compensar o fato de Edward não ter comparecido ao nascimento de seu filho. E, então, surgem as pistas de que o peixe era ele próprio:

  1. Quando jovem e enfrentando um crescimento desenfreado, o personagem principal lê um trecho sobre o peixe-dourado, que num aquário pequeno o seu crescimento é restrito. Mas em um ambiente maior, ele cresceria em proporções absurdas. E assim, ele já descobre que estava destinado a grandes feitos;
  2. A constante sede e vontade de ficar na água de Edward Bloom;
  3. A cena final, que merece um detalhamento maior que uma lista e será abordada em seguida.

Várias cenas e histórias são verdadeiras obras-primas e já fazem valer a pena assistir ao filme. Como a cena em que o protagonista encontra sua futura esposa pela primeira vez e o tempo para, literalmente:

Ou a cena do campo de narcisos:

Mas a cena final é um espetáculo à parte:

Na maca do hospital, em seus últimos minutos, Edward Bloom pede a seu filho que narre para ele como seria sua partida. Resistente e incrédulo, ele cede com insistência de seu pai e então narra uma fuga do hospital nos melhores moldes do protagonista.

Após sair do hospital e com seu pai sedento, como sempre, eles pegam o carro e rumam para o rio. E lá, encontram todos os personagens das fábulas de Edward: desde sua esposa até o gigante, literalmente todos estavam presentes para se despedir. Então, Will carrega seu pai nos braços até o rio e ele se torna o que sempre foi:

Você já escutou uma piada tantas vezes, que se esqueceu o motivo de ser engraçada? Então, você escuta outra vez e, de repente, ela se torna engraçada de novo. Você se lembra porque adorou ela na primeira vez. Essa foi a piada final do meu pai, eu acho: um homem conta as suas histórias tantas vezes que ele se torna suas histórias. Elas continuam vivas após ele partir e, dessa forma, ele se torna imortal.

Então, pai e filho se reconciliam, no momento em que fica evidente que o poder da criação de narrativas e contação de histórias, semelhante ao storytelling, havia sido passado para a próxima geração.

E William reconhece que a visão de mundo de seu pai mostra que cada situação descrita pode ser desproporcional à realidade, porém não torna nenhuma irreal e ainda pode deixá-la muito mais fascinante.

Ficando como lição final do filme que o poder do storytelling é tanto que pode te tornar imortal.

O filme também deixa várias lições de vida valiosas, mas aí já é assunto para um outro artigo…

E você, tem algum filme que ensinou alguma lição importante? Me conta nos comentários e vamos continuar essa discussão! 😉


Artigo originalmente publicado no blog da Comunidade Rock Content.

Dimitri Vieira

Dimitri Vieira

Sou um escritor e produtor de conteúdo, especializado em Escrita Criativa, Storytelling e LinkedIn para Marcas Pessoais. Minhas maiores paixões sempre foram a música, o cinema e a literatura. Escrevendo textos na internet, consegui unir o melhor desses três universos, e o que era um hobby acabou me transformando em LinkedIn Top Voice e, hoje, se tornou minha profissão.

Gostou do texto? Então, compartilhe.

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email

E para receber os próximos textos em sua caixa de entrada, inscreva-se na Newsletter gratuita.

Leia também:

Comentários