Qual foi o livro que mudou a sua vida?
Qual foi o livro que mudou a sua vida?

Qual foi o livro que mudou a sua vida?

No meu último artigo, falei sobre mudar de carreira e comentei em dois momentos sobre livros. Disse que eles podem ser fundamentais para te ajudar a resgatar seu propósito e sua motivação. E falei também que você nunca sabe quando vai abrir um livro que irá mudar sua vida.

Por isso, decidi falar sobre esse tema hoje e adianto que não consigo escolher uma única obra. Então, vou falar de duas que, embora não tenham nenhuma relação literária ou histórica, acabaram tendo enorme conexão para mim. E já te conto o motivo:

O primeiro livro acabou sendo o empurrão (quase) final para uma mudança que queria promover em minha vida. Enquanto o segundo foi crucial para recuperar o propósito e minha motivação na época em que o li.

E tenho certeza que você já conhece a história do primeiro:

Na Natureza Selvagem

Até hoje, não consegui me decidir sobre aquele velho dilema de quem é melhor: o filme ou o livro. E olha que, nesse caso, a obra cinematográfica tem uma vantagem quase desleal: a trilha sonora.

Quando abri a primeira página de Na Natureza Selvagem, estava chegando em um dos períodos mais difíceis da Engenharia Elétrica e, na época, cogitava a ideia de mudar de curso e tentar Direito.

Ao virar a última página e fechar o livro, tive certeza que essa ideia era o caminho certo a percorrer. Cheguei a trancar algumas matérias e estava decidido a prestar vestibular novamente.

Ou seja, se tem algo em sua vida que você quer mudar, a história de Christopher McCandless pode facilmente ser o empurrão final que falta.

Divulgada para o mundo pela obra literária de Jon Krakauer e pelo filme dirigido por Sean Penn, a forma como o protagonista rompe com o status quo tocou e inspirou muita gente.

Fez com que muitas pessoas repensassem seus trabalhos, suas formações acadêmicas, lessem e viajassem mais. Eu não fui exceção. E não apenas por quase ter mudado de curso por influência da obra.

Mais do que isso, ele foi o livro que me inspirou a criar um hábito de leitura. Antes de 2012, eu lia muito pouco e não fazia a menor questão.

Mas quando vi a forma como McCandless era capaz de citar autores como Tolstói e Thoreau como se estivesse jogando conversa fora, decidi que queria ser capaz de fazer o mesmo.

Desde então, a leitura se tornou não apenas um hábito, mas uma necessidade. Ainda não consigo lembrar tantas citações de cabeça, como o nosso saudoso amigo Chris, mas tenho um caderno para me ajudar com isso.

E adivinha qual foi o livro que inaugurou meu caderno de citações?

(Atenção para o segundo, pois já falei dele no LinkedIn em outro artigo!)

Não vou me aprofundar em detalhes da história, pois tenho quase certeza que você já a conhece muito bem. E se ainda não conhece, vou te dar uma nova oportunidade de corrigir isso por si mesmo e não te darei nenhum spoiler.

“A essência do espírito humano é sua paixão pela aventura. A alegria da vida vem de nossos encontros com novas experiências e, portanto, não há alegria maior que ter um horizonte sempre cambiante, cada dia com um novo e diferente sol (Christopher McCandless).”

Uma outra forma de fazer a introdução deste artigo seria:

O primeiro livro me levou a ter e a inaugurar um caderno de citações. Enquanto o segundo me rendeu 17 páginas de anotações, além de ser o livro mais influente nos EUA depois da Bíblia:

A Revolta de Atlas

Quando terminei de ler sobre a história de McCandless, tranquei algumas disciplinas na faculdade e tive um semestre quase sabático para definir se mudaria ou não de curso.

Nesse período, uma das coisas que mais fiz foi ler. E um dos livros que tive a felicidade de ler foi A Revolta de Atlas, de Ayn Rand.

Se a obra de Jon Krakauer me fez dar como certa a mudança de curso, a de Rand me possibilitou re-organizar as ideias em minha cabeça, retomar os trilhos e foi responsável por moldar meu perfil profissional e, principalmente, meu caráter.

” Uma mentira é um ato de auto-abdicação, porque quem mente entrega sua realidade à pessoa para quem a mentira se dirige, tornando-se servo daquele indivíduo e ficando condenado dali em diante a falsear a realidade tal qual ele exige. (Ayn Rand)”

A Revolta de Atlas costuma ser muito falada por seu aspecto socioeconômico, mas o lado filosófico — que foi o que achei mais interessante — acaba ficando de lado.

Antes de aprofundarmos nisso, farei uma breve sinopse caso não conheça o romance:

Atlas mitologicamente é aquele que sustenta o mundo. E quem carrega o mundo — para Rand —, nos dias atuais e na obra, são os grandes inovadores. Aqueles que fazem a diferença em todos os campos, desde a indústria e a medicina até a literatura e a música.

Partindo dessa analogia, a história se passa numa América fictícia, futura e em decadência. Com forças políticas no poder que se dedicam em impor empecilhos aos poucos homens e mulheres que ainda tentam lutar para salvar o país do colapso.

Um dos grandes inovadores acaba personificando Atlas um pouco mais que os outros. E, quando ele decide que iria “parar o motor do mundo”, surge a greve idealizada por Rand e protagonizada pelos maiores artistas, pensadores e industrialistas que o mundo conhecia.

Com esse ponto de partida, Rand nos dá verdadeiras aulas de filosofia por meio de um romance fictício. E um dos principais alvos de crítica da autora é o altruísmo, preferindo até mesmo defender o egoísmo, ou melhor, o objetivismo.

Objetivismo VS Altruísmo

Objetivismo é um código moral criado pela autora, antes dito impossível. Uma moralidade que não é baseada em fé, caprichos arbitrários, emoções ou nada místico, mas na razão.

Como a mente é o meio básico de sobrevivência humana, ela defende que, para sobreviver e viver como um ser humano, devemos ter a razão como nosso único guia para agir. E devemos viver conforme o julgamento independente de nossas próprias mentes.

” Todas as espécies de seres ensinam a seus filhotes a arte da sobrevivência — os gatos ensinam os gatinhos a caçar, as aves se esforçam para fazer com que seus filhotes aprendam a voar —, e no entanto o homem, cuja sobrevivência depende da mente, não apenas não ensina seus filhos a pensar, como também dá a eles uma educação que visa destruir seus cérebros, convencê-los de que o pensamento é fútil e malévolo, antes mesmo que eles comecem a pensar.”

“Os homens ficariam horrorizados se vissem uma ave fêmea arrancando as penas do filhote e depois o empurrando para fora do ninho para que ele lutasse pela sobrevivência — porém era isso que eles faziam com os filhos. (Ayn Rand)”

Além disso, nosso maior propósito é alcançar a própria felicidade. E devemos viver como um fim em nós mesmos, sempre seguindo nosso interesse racional, de forma a viver conforme nossa própria causa.

Portanto, a autora defende o egoísmo como auto-estima e como acreditar em si mesmo, afirmando que temos direito à felicidade e devemos alcançá-la nós mesmos. Mas jamais devemos exigir que outras pessoas abram mão de suas vidas para nos fazer feliz. E nem devemos desejar nos sacrificar pela felicidade de outros.

“Que riqueza é maior que ser o dono da própria vida e empenhá-la no crescimento? Toda coisa viva precisa crescer. Não pode parar. Ou cresce ou morre. (Ayn Rand)”

Mais do que isso, Rand apoia o conceito de que o altruísmo é maléfico. E é exatamente esse o motivo das principais polêmicas enfrentadas por ela em sua carreira.

Porque a ideia de que devemos servir e nos sacrificar é uma crença extremamente comum na sociedade e enraizada na filosofia de várias instituições, desde o governo até a igreja.

Assim, ela foi capaz de incomodar pessoas extremamente influentes e era frequentemente indagada sobre temas complexos, como política, religião e amor.

Por exemplo, ela defendia que todos os negócios devem ter seus próprios termos e sua própria moeda. No amor, a moeda é a virtude. Você ama as pessoas não pelo que faz por elas, ou pelo que fazem por você, mas pelas suas virtudes.

E deixando os temas polêmicos de lado, a escritora é capaz de um trabalho fenomenal no aspecto filosófico e motivacional:

Por que Ayn Rand é capaz de mudar sua vida?

Ao contrário dos clássicos protagonistas da grande maioria das obras literárias — que estão sempre dispostos a se sacrificar pelos seus pares românticos — os heróis de Rand são ambiciosos, capitalistas, extremamente racionais e buscam sucesso e lucro. Sem remorso algum.

Pessoas com essas características costumam ser rotuladas como egoístas e gananciosas e, por isso, acabam assumindo o papel de vilão. Mas não em A Revolta de Atlas.

Temos Dagny Taggart, que é uma executiva disposta a arriscar tudo conforme seu próprio julgamento, para tocar com sucesso as ferrovias de sua empresa.

E Hank Rearden, um industrialista que cria um novo metal mais barato, seguro e resistente, além de ter mais aplicações que qualquer outro no mercado.

Na trama, o Estado tenta proibir que esse metal de Rearden chegue ao mercado. Após comprovada a sua eficácia, tentam comprá-lo para que se torne propriedade estatal, sob a alegação de que uma única pessoa lucrar com suas vendas configura monopólio e deveria ser ilegal, em nome do bem público.

Não vou entregar muito mais sobre a história, mas Hank Rearden chega a ser levado aos tribunais por esse motivo.

Assim, Rand nos ensina que:

  • não devemos sentir culpa frente a demandas irracionais;
  • devemos defender nosso próprio interesse e felicidade, sem nos importarmos com a opinião pública, ainda que resulte em ser mal visto por nos recusarmos a nos sacrificar;
  • atacar alguém, não por suas falhas, mas por suas virtudes é o ato mais imoral que alguém pode praticar.

Para Rand, ser bem-sucedido em qualquer área de atividade racional é uma enorme virtude. E o maior mal é ser atacado por exercer suas habilidades, pela sua ambição e pelo seu trabalho árduo, tentando fazer com que você ainda se sinta culpado por isso.

O ódio do bom, por ser bom, é o que ela define como Era da Inveja.

“Tenta-se fazer com que humano signifique fraqueza, estupidez, vadiagem, mentira, fracasso, covardia e fraude e se pretende exilar da história humana o herói, o pensador, o produtor, o inventor, o forte, o decidido, o puro – como se ‘sentir’ fosse humano, mas pensar não fosse;  como se o fracasso e não o êxito fosse humano; como se a corrupção, não a virtude fosse humana. (Ayn Rand)”

Com seus personagens pouco usuais e os desafios enfrentados por eles na obra, a autora nos desafia a pensar e nos leva a reflexões como:

  • Devo buscar uma carreira de sucesso para fazer dinheiro, ou para ter algo para retribuir à sociedade?
  • Devo me tornar um médico para ter a obrigação de ajudar aos necessitados, ou porque amo a área e tenho excelentes habilidades para tratar os pacientes dispostos a me pagar?
  • Devo me sentir orgulhoso pelo dinheiro que ganhei, ou devo me sentir culpado porque outros ganham menos?
  • Devo aceitar uma moral vinda de uma doutrina religiosa? Ou existem outras maneiras de eu discernir o certo do errado?

Por meio da história, ela nos apresenta todas suas ideologias da forma mais explanada e convincente possível. Mostrando-nos, por exemplo, que Rearden deve ter o direito de vender seu metal por qualquer preço que os compradores estejam dispostos a pagar.

Afinal, trata-se de sua propriedade, com origem em seu esforço criativo e racional. Assim, nenhuma pessoa teria direito a reivindicá-lo, nem mesmo o Estado.

“O não pensar é um ato de aniquilamento, um desejo de negar a existência, uma tentativa de apagar a realidade. Porém a existência existe; a realidade não se deixa apagar, mas acaba apagando aquele que deseja apagá-la. Quem se recusa a dizer ‘É’ se recusa a dizer ‘Sou’. Quem não utiliza seu discernimento nega a si próprio. O homem que afirma ‘Quem sou eu para saber?’ está afirmando: ‘Quem sou eu para viver?’ (Ayn Rand)”

Ayn Rand escreve sobre pessoas que agem conforme seus próprios julgamentos e que são obrigadas a descobrir as respostas por si próprias. Assim como nós também devemos fazê-lo em nossas vidas.

Apresentando todos os seus conceitos e ideologias por meio do romance, ela é capaz de nos inspirar com sua filosofia. De forma que entendemos o seu sentido e, imediatamente, passamos a aplicá-la em nossas vidas.

Esse é o motivo pelo qual A Revolta de Atlas continua impactando a vida de tantas pessoas, mesmo após 60 anos de seu lançamento.

“Observem a persistência, nas mitologias, da lenda de um paraíso que os homens possuíram certa vez, a cidade de Atlântida ou o Jardim do Éden ou algum reino da perfeição, sempre no passado. A raiz dessa lenda se encontra não no passado da espécie, mas no de cada homem. Vocês ainda guardam uma vaga ideia — não nítida como uma lembrança e sim difusa, como a dor de uma saudade sem esperanças — de que em algum momento da sua primeira infância, antes de aprenderem a se submeter, a absorver o terror do irracional e questionar o valor da sua mente, conheceram um estado radiante de existência, a independência de uma consciência racional encarando um universo aberto. Esse é o paraíso que vocês perderam e que buscam — e que pode ser seu quando quiserem. (Ayn Rand)”

E retomando o título: qual foi o livro que mudou a sua vida?

Sou um escritor e produtor de conteúdo, especializado em Escrita Criativa, Storytelling e LinkedIn para Marcas Pessoais. Minhas maiores paixões sempre foram a música, o cinema e a literatura. Escrevendo textos na internet, consegui unir o melhor desses três universos, e o que era um hobby acabou me transformando em LinkedIn Top Voice e, hoje, se tornou minha profissão.

Gostou do texto? Então, compartilhe.

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email

E para receber os próximos textos em sua caixa de entrada, inscreva-se na Newsletter gratuita.

Comentários